Últimas Notícias
Família Potamotrygonidae

Família Potamotrygonidae

Compartilhe

FAMÍLIA  POTAMOTRYGONIDAE – representada pela raias do grupo exclusivo de ambientes dulcícolas

CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICA DA FAMÍLIA: É um peixe de pele lisa, estrutura cartilaginosa, corpo achatado em forma de disco (deprimido dorso-ventralmente – discoidal). Apresentam a boca e 5 pares de fendas branquiais está localizada na região ventral e os olhos, juntamente com os espiráculos (abertura por onde circula o ar), na região dorsal. Possuem cauda onde se localizam os ferrões (região medial). As nadadeiras peitorais modificadas bem desenvolvidas e estão fundidas com o corpo dando um aspecto discoidal.

São bentônico, ou seja, peixe que habita fundos arenosos e realiza fecundação interna. A distinção sexual nos potamotrigonideos pode ser feita através da presença (machos) ou não (fêmeas) dos clásperes (são dois órgãos alongados e cônicos com o formato de duas pequenas nadadeiras que funcionam como um auxiliador na cópula, localizados próximos das nadadeiras pélvicas.

Nome comum: arraia-de-fogo, raia-grande, raia-cinza, raia-pintada

Nome cientifico: Potamotrygon motoro

capturada no rio Guaporé em Cabixi (RO) na pesca ao tucunare e traíra com isca artificial em 13/10/2012

capturada no rio Negro região de Barcelos (AM) com isca viva na pesca de peixe de couro em 22/02/2013

capturada no rio Negro região de Barcelos (AM) com isca viva na pesca de peixe de couro em 22/02/2013

Características gerais: coloração parda com manchas redondas amareladas e alaranjadas  envoltas por u anel negro (manchas ocelares) – no corpo  para facilitar a camuflagem, mas não se estendem pela cauda. . Destaque para os tons de ocre e amarelo na região dorsal. Em geral, passa a maior parte de seu tempo semi-enterrada na areia ou na lama do fundo dos rios. Só os olhos e espiráculos é que ficam de fora. Possuem ferrão venenoso na cauda o o ferrão é ósseo em forma de faca serrilhada recoberto por um epitélio recoberto de muco que contém uma toxina e inúmeras bactérias que provoca dor intensa ao ferroar, deixar a pessoa debilitada de 1 a 3 meses e ainda pode causar necrose da pele na região afetada e muita dor. O local atingido pelo ferrão deve ser lavado imediatamente e submerso em água quente que alivia a dor, pois o veneno é sensível ao calor e alta temperatura diminui sua ação.  Uma ferroada deste animal pode

Dados biológicos/reprodutivo: não migratória – reprodução sexuada com fecundação interna. Reprodução a partir do 3 ou 4º ano de vida e de 33 a 44 cm de diâmetro (macho  e fêmea respectivamente). Gestação dura 6 meses e gera de 5 a 8 filhotes por viviparidade, ou seja, nascem formados. Machos apresentam claspers e são mais claros.

Hábito alimentar: carnívoro (peixes, insetos e crustáceos)

Tamanho: grande porte – cerca de 1 metro de comprimento e 50 cm  de diametro e chega a pesar mais de 15 kg. A fêmea maior que o macho. São animais normalmente solitários, que vivem entre 15 e 20 anos

Habitat: bacias amazônica e dos rios Tocantins-Araguaia, Paraguai, Paraná (adquirida com o enchimento da Itaipu)
Status de conservação: não ameaçado, mas sob controle devido a pesca desordenada para fins de aquariofilia
Importância: na diversidade de espécie, pesca comercial e ornamental

Dicas de pesca: pescar na época de vazantes e seca dos rios, em praias, igarapés e poços profundos (a pesca de fundo, na espera é a mais produtiva). Pedaços de peixes ou mesmos pequenos peixes inteiros iscados para capturar bagres em geral atraem as arraias de água doce, principalmente quando fica por muito tempo na espera. Quando fisgada elas pressionam o corpo no fundo tornando a briga extenuante.
_______________________________________________________________________________________________________

OUTRAS ESPÉCIES DE RAIAS

IMG_0257 raia avistada nos canaisac

encontrada nos canal de acesso aos Lagos do rio Suiá-Miçu – Querência (MT) em 28/08/2013

IMG_8816 raia sem rabo no lagoT

encontrada nos canal de acesso aos Lagos do rio Suiá-Miçu – Querência (MT) em 26/08/2013

capturada no rio Guaporé em Cabixi (RO) na pesca ao tucunaré e traíra com isca artificial em 07/10/2012

capturada no rio Cuiabá em Barão de Melgaço (MT) em 15/10/2012

Sobre isabelpellizzer

Sou do interior do estado de São Paulo, Paraguaçu Paulista, casada com Sergio Pellizzer há 31 anos, mãe de dois filhos, Marcelo (30 anos) e Caio (27 anos). Formação: Engenheira Agrônoma e Técnica em Agrimensura. Paixão: Pescadora Amadora Esportiva desde 1997 que gosta de compartilhar suas experiências na pesca. Colaborei com matérias de pesca por 8 anos seguidos com a revista Pesca Esportiva e, no momento, colaboro com a revista Pesca e Cia. Amante da Natureza com especial admiração pelas aves e plantas. Quando as encontro nas pescarias, faço os registros e identificações, igualmente faço aos peixes. Atualizado: 21/04/2016
Comente com o facebook (Precisa estar logado)
Os comentarios aqui expressos sao de responsabilidade de seus autores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Scroll To Top

XML Sitemap