Compartilhe

FAMÍLIA SCIAENIDAE – representada pelas corvinas

CARACTERÍSTICAS GERAIS: espécie adaptada a diferentes concentrações de salinidade – águas doce, salobra e salgada e ambientes de águas paradas ou represadas, possuem grandes ossos no ouvido interno (otólitos) – baixa resistência fora d’água – peixe de fundo

[box type=”shadow” ]Nome comum:corvina, pescada, pescada-branca, pescada-do-piauí

Nome cientifico: Plagioscion squamosissimus [/box]

capturada  na represa Marimbondo em Planura (MG)  pesca de espera com uso de camarão em 28/04/2011
capturada na represa Capivara em Gardênia (SP) na pesca de espera com uso de lambari  em 20/04/2011
capturada na represa Capivara em Gardênia (SP) co uso de jig head com shad em 27/12/2008
capturada na represa Capivara em Gardênia (SP) com uso de camarão em 26/01/2011

________________________________________________________________________________________________________________________

capturada na represa Capivara em Gardênia (SP) na pesca de espera com uso de camarão em 26/01/2011
capturada na represa Capivara em Gardênia (SP) na pesca de espera com uso de camarão em 26/01/2011

Dados biológicos: não migratório – fecundação externa – desova parcelada – sem cuidado parental

Hábito alimentar: piscívoro (peixes e crustáceo)

Tamanho: porte grande de até 80 cm e 7 kg

Habitat: bacias amazônicas e do Tocantins-Araguaia e amplamente distribuída nas bacias do Paraná e São Francisco

Status de conservação: não ameaçado

Importância: na pesca em geral

[box type=”info” ]Dicas de pesca: pescar o ano todo, em poços profundos e horários de maior luminosidade e beiras de praias e bocas de lagoas no fim do dia. Fazer uso de sonar na pesca ancorada que ajudara a localizar o cardume. Depois de localizada a coluna d’água que estão ativas a pescaria é farta e com sorte, o direito a grandes exemplares Em represas, fazer tentativas ao lado de estruturas como grandes arvores secas que afloram em pontos de maior profundidade ou em pilastras de pontes. Usar de isca pequenos peixes vivos como o lambari e camarão vivo ou congelado e envolto por fubá são infalíveis presos em anzol modelo Wide Gap nº 2 atado em uma curta pernada no líder e chumbada de 5 a 30 g na ponta. As tuviras pequenas também são indicadas. Em locais muito profundos e com grande presença de piranha é útil uma chumbada de bom peso para que a isca, o camarão, desça rapidamente até o fundo e escape aos ataques das vorazes piranhas durante o caminho. Prender a chumbada na ponta da linha e anzol atado a uma curta pernada entre 25 e 30 centímetros acima do peso. Assim que este bate no chão, o ideal é recolher no máximo uns 20 centímetros. Entre as artificiais os metal jigs, shads e grubs de 5 até 30 gramas, dependendo da necessidade, trabalhados com toques curtos também é eficaz. [/box]

Leave a Comment